Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2014

A INTENÇÃO CONSCIENTE E A CRIAÇÃO DA REALIDADE - AMIT GOSWAMI

“O que você está fazendo para participar da criação da realidade que todos nós compartilhamos?” Quando o matemático John von Neumann teorizou que a consciência provoca o “colapso” da onda de possibilidade quântica ao escolher e concretizar uma de suas facetas, tal ideia levou o físico Fred Alan Wolf a afirmar: “Nós criamos a nossa própria realidade”. Porém, as imagens que a frase evocou geraram muitos desencontros. As pessoas abraçaram o conceito de criação quântica da realidade, sem dúvida, mas as tentativas de criação produziram resultados confusos e deturpados porque os “criadores” não estavam cientes de uma sutileza: nós criamos nossa própria realidade, mas não a criamos a partir de nosso estado ordinário, e sim sob um estado não ordinário de consciência. As contradições que certamente se manifestariam no campo da decisão individual – duas escolhas diferentes não podem se materializar ao mesmo tempo – se desfazem à luz da seguinte constatação: o que permite à consciência ser livre ag…

O UNIVERSO ELEGANTE - LIVRO DE BRIAN GREENE E VÍDEO

O UNIVERSO ELEGANTE - 

Supercordas, dimensões ocultas e a busca da teoria definitiva-Brian Greene

No interior mais fundo da matéria, vibram cordas como as de um instrumento musical. Tudo o que existe e acontece no mundo, no universo, surge das vibrações dessas entidades centenas de bilhões e bilhões de vezes menores do que o núcleo de um átomo.
Hoje, no mundo inteiro, físicos e matemáticos trabalham febrilmente com a idéia de "cordas". Ela pode levar à chamada "teoria do campo unificado" com que Einstein sonhava. Pode ser a chave para compatibilizar os dois pilares antagônicos da física moderna: a relatividade geral - as "leis do grande" - e a mecânica quântica - as "leis do pequeno". A promessa dessa teoria revolucionária é justamente esta: explicar por um mesmo princípio a enormidade dos espaços siderais e as ínfimas proporções do microcosmo.
Desde que Stephen Hawking publicou a sua Breve história do tempo, nenhum cientista havia agitado tanto o c…

O DNA HUMANO É UMA INTERNET BIOLÓGICA

O DNA humano é uma Internet biológica.
O DNA humano é uma Internet biológica e superior em muitos aspectos a uma rede artificial. A mais recente pesquisa científica russa, direta ou indiretamente, explica fenômenos como a clarividência, a intuição espontânea e atos remotos de cura, auto-cura, as técnicas de afirmação vocal (decretos), a luz incomum / aura em torno de pessoas, influência da mente/pensamentos sobre padrões climáticos, e muito mais. Além disso, há evidências de um novo tipo de medicina nas quais o DNA pode ser influenciado e reprogramado por palavras e freqüências/som (O Verbo) SEM remover e substituir um único gene, ou sem a prática da medicina invasiva convencional. Apenas 10% do nosso DNA está sendo usado para construir proteínas. É este subconjunto do DNA que é do interesse dos pesquisadores ocidentais e está sendo examinado e categorizado. Os outros 90% são considerados "DNA lixo". Os investigadores russos, no entanto, convencidos de que a natureza não era …

ALÉM DO COSMOS - INTRIGANTE TEORIA DO MULTIVERSOS(VÍDEO)

Além do Cosmos, na íntegra: programa de 3h com Brian Greene explica a intrigante teoria dos Multiversos [VÍDEO]
Seria a Teoria dos Multiversos a próxima grande revolução na visão do homem sobre o universo desde Copérnico? “The Fabric of the Cosmos“, como foi intitulado pelo canal Nova (PBS), ou “BeyondThe Cosmos“, título do programa no canal NatGeo, é um documentário que traz o físico teórico americanoBrian Greene apresentando e explicando a Teoria doMultiversos, com conteúdo baseado no seu livro “O Tecido do Cosmo: O espaço, o tempo e a textura da realidade“(Companhia das Letras, 2005) (The Fabric of the Cosmos : Space, Time, and the Texture of Reality). Apesar das 3 horas de programa (dublado), o começo é dinâmico e bastante interessante, com produção atraente e a teoria sendo apresentada de maneira bastante compreensível, apesar da sua complexidade – e embora seja também em si curiosa, por vezes óbvia e outras vezes absurda. “É ciência? É metafísica? É apenas filosofia? É religião? …